Museu Virtual

Nesta seção, você poderá conhecer alguns móveis e artefatos que fizeram parte de nossa história e que hoje estão espalhados pelo Brasil afora em poder de vários familiares que gentilmente nos enviaram as fotos abaixo. Também podemos voltar no tempo através da visualização de vários documentos que foram parte importante na vida de nossos antepassados.


Móveis e Artefatos

Se você possui qualquer objeto ou documento que seja relevante na história de nossas famílias, por favor envie-nos uma imagem com uma breve descrição através do e-mail abaixo: alexandre@astolfi.com.br


Documentos

As imagens a seguir, apresentam vários documentos de nossos antepassados. Estão ordenados por pessoa e pela data.

Para visualizarlos em PDF, somente é necessário clicar sobre a imagem do documento.

Documentos Giuseppe Dall'Acqua

1877 – Em nome de S.M. Vittório Emanuele II, Rei da Itália, o Ministro dos assuntos Estrangeiros pede às autoridades civis e militares de Sua Majestade e das Potências amigas e unidas deixar livremente passar Giuseppe Dall´Acqua, filho de Matteo, que vai para a América (no Brasil) com a mulher Anna Bonfardim de 37 anos os filhos Luigi de 12 anos, Ângelo de 10, Ângela de 8, Matteo de 7 e Anna de 3, providos dos meios para a viagem e para a chegada ao país estrangeiro, e prestar-lhe assistência em caso de necessidade. O presente passaporte expedido em Agordo aos 29 de dezembro de 1877, é valido por um ano, Por delegação do ministro dos Assuntos Estrangeiros assina o Comissário Distrital de Agordo (assinatura ilegível).
No passaporte constam ainda os dados característicos de Dall´Acqua:
Idade: 38 anos, estatura: alta, cabelos: loiros, olhos: claros, sinais particulares: nenhum, profissão: marceneiro e pedreiro, nascido em La Valle, residente em La Valle.

1868
Atestado de conduta moral fornecido a Giuseppe Dall´Acqua dois dias antes de emigrar: Província de Belluno, distrito de Agordo, município de La Valle – O prefeito do município de La Valle, valendo-se da faculdade que lhe é atribuída pelo artigo 102, n°8, da lei municipal e provincial de 20 de março de 1866, n°2240, Artigo A, certifica a todos e para todos os efeitos que Dall´Acqua Giuseppe, filho de Matteo, e família, de … anos, pedreiro de profissão, residente neste município de La Valle, casa n°… é pessoa de boa moral e irrepreensível conduta. Prefeitura Municipal de La Valle, 19 de janeiro de 1868.

Documentos Ângelo Dall'Acqua

1895
Tradução da carta que Marina Sbardelotto enviou ao nono, aceitando o pedido de casamento.

Ângelo,
Com imensa alegria recebi a carta que me enviaste. Tive muito prazer em saber do teu bom estado de saúde. Nós todos da família vamos bem. 
Tu me disseste que em breve regressarás a casa, e eu não vejo a hora que terminem os dias por ti estabelecidos para verte e matar o meu desejo de falar contigo e de exprimir o afeto que te consagro e a inquietude que em mim existe. Passo tempo e tempo a pensar em ti.
Teu pai e tua mãe vieram para falar para com os meus pais, e eu ouvi também de sua boca que te transferirás para Santa Teresa; meu pai também me disse que eu faça a minha vontade, e eu digo que por amor vou aonde me conduzirás. Estou pronta a deixar pais, irmãos e parentes para unir-me a ti e sobrepor o teu amor àquele dos meus pais ao receber do sacerdote o sacramento do matrimônio.
Faz-me a gentileza de saudar a senhora da casa e agradeça-lhe por ter-se ela dignado a tomar interesse por mim ainda que eu lhe seja desconhecida.
Crê na sincera palavra da tua amada.
Sbardeloto Marina
9 de fevereiro de 1895

1907
O primeiro título de eleitor concedido a Ângelo Dall’Acqua.

1908
Da intendência Municipal de Guaporé, nomeando de Ângelo Dall’Acqua para o cargo de inspetor seccional da Linha Caxias, no 2.º distrito de Casca, assinada por Lucano Conedera.

1913
Da Administração dos Correios do Rio Grande do Sul, nomeação de Dall’Acqua para agente do Correio de Guaporé.

1913
Portaria que nomeia Ânqelo Dall’Acqua para o cargo de fiscal municipal, desta vez em caráter permanente, assinada pelo’ Sr. Agilberto Maia, prefeito de Guaporé, com data de 3 de janeiro de 1913. Dall’Acqua atuou, neste cargo, durante 23 anos.

1914
Recomendação da Administração dos Correios para Dall’Acqua assumir quanto antes o cargo de agente postal para o qual fora nomeado.

1914
Da Administração dos Correios do Rio Grande do Sul, remetendo a Ângelo Dall’Acqua o título de nomeação para o cargo de agente postal em Casca.

1915
Nomeação de Ângelo Dall’Acqua para o cargo de 1.º suplente de juiz distrital de Casca, assinada por Borges de Medeiros, Presidente do Estado

1915
Da Diretoria Geral da Secretaria de Estado comunicando a nomeação para 1.º suplente de juiz distrital de Casca

1917
Título de eleitor concedido a Dall’Acqua em 1917. No verso, o visto e as respectivas assinaturas, que indicam ter o titular votado nas eleições de 1918, 1919, 1924, 1928, 1929 e 1930

1919
Documento em que o Presidente do Estado do Rio Grande do Sul, Antônio Borges de Medeiros, em 17 de junho de 1919, nomeia o cidadão Ângelo Dall’Acqua para o cargo de juiz distrital do 2° distrito do município de Guaporé. Dall’Acqua prestou seu compromisso diante do escrivão José Luís Mata em 17 de junho do mesmo ano, pagando a seguinte despesa na Coletoria de Guaporé: selo de verba 20$000 réis. Taxa escolar (5%) 1$OOO réis, taxa profissional 800 réis, total: 21$800 réis. O cargo não era remunerado.

1919
Da Diretoria Geral da Secretaria de Estado comunicando a nomeação para juiz distrital de Guaporé

1921
Do Juiz da  Comarca de Taquari, comunicando a Dall’Acqua ter sido escolhido para o cargo de mesário da terceira seção eleitoral federal do distrito de Casca

1923
Instruções a Dall’Acqua – que detinha nesse tempo o cargo de subintendente de Casca –  referentes ao recenseamento municipal. Assina o documento o auxiliar da secretaria Josué Ponzi

1923
Ato de recondução de Ângelo Dall’Acqua p. o cargo de juiz distrital

1924
Da Secretaria de Estado do Rio Grande do Sul, ato de exoneração, a pedido de Dall’Acqua, do cargo de juiz distrital

1925
Nomeação para mesário, com a presidência da mesa, para as eleições de 15 de março.

1931
Carta de Anita Garibaldi, neta do Garibaldi, é de 19 de outubro de 1931.
O nono colou num caderno a fotografia da carta (a carta se perdeu) e uma fotografia de Anita em frente ao palácio do governo em Porto Alegre, junto com algumas autoridades.

1933
Título de eleitor.

1934
Declaração em que Ângelo e Marina Dall’Acqua passam para o filho Alcides ferramentas e outros objetos como parte da herança.

1934
Declaração de Ângelo e Marina passando para o filho Plínio ferramentas e outros objetos, como parte da herança.

1936
Apostila de aposentadoria por idade, assinada pelo prefeito Agilberto Maia

1940
Reprodução da certidão de casamento de Angelo Dall’ Acqua e Marina Sbardelotto (casaram em 01/05/1895).

1942
Salvo conduto fornecido a Dall’Acqua pela Delegacia de polícia de Guaporé para viajar para Curitiba e Ponta Grossa, no Paraná e Caçador, em Santa Catarina.

1943
Acordo amigável entre Ângelo e Marina Dall’Acqua e o filho Onésimo Dall’Acqua

1943
Declaração de Ângelo e Marina Dall’Acqua pela qual passam ao filho Vitorino, como parte da herança, livros e objetos diversos

1944

Salvo conduto fornecido em 1944 para viajar a Curitiba, no Paraná, a Caçador e a Concórdia, em Santa Catarina.
Foi no retorno dessa viagem que, na estação de Marcelino Ramos, os policiais que faziam a fiscalização mandaram Dall’Acqua e a esposa Marina desembarcarem do trem, sendo-lhes dada a voz de prisão por serem “quinta coluna”. Depois de muitas explicações de Ângelo, que tinham um filho prestando serviço militar no exército brasileiro como voluntário, havia três anos, justificando-se ainda pelos cargos exercidos como funcionário público etc. e mais a revolta e gritaria dos passageiros, que desembarcados do trem exigiam justiça, o casal foi reembarcado e pode seguir viagem.

1945
Por ocasião das Bodas de Ouro de Ângelo Dall’Acqua e Marina Sbardelotto Dall’Acqua em 1945, Benvenutto Crocetta e Theresa Crocetta, seus queridos amigos, publicaram esta homenagem, ressaltando as virtudes do casal Dall’Acqua.

1951
Notas bibliográficas escritas por Ângelo Dall’Acqua na 3.ª pessoa narrando os momentos da imigração para o Brasil

1988
Nova via da certidão de nascimento de Angelo Dall´Acqua.

Documentos Albertina Dall'Acqua

1917
Imagem do livro de registros de nascimentos onde aparece o registro de Albertina.

Documentos Antônio Ângelo Astolfi

1875
Cópia da lista de passageiros do Vapor RIGHI, que partiu de Nápoles, chegando ao porto do Rio de Janeiro em 28/01/1885 trazendo os primeiros imigrantes Astolfi ao Brasil: Antônio Ângelo Astolfi (32 anos), Teresa Azzalini (28 anos) e os filhos Pierina (8), Eugênio (6), Eugênia (3) e Virgínia (2 anos). Eles podem ser localizados nas páginas 11 V e 12 deste documento.